quarta-feira, 13 de julho de 2011

Títeres - Cado Selbach


 
TÍTERES

E já não sei se é teimosia
insistir em expressar-me
Em poemas tão caducos
Que me despem assim

- aos poucos -

Mas creio que irei fazê-lo
Enquanto houver controvérsias
Entre o que sou e o que sinto

Pois na verdade, confesso
Poemas são testemunhos
De minh'alma sempre inquieta
Adornada com palavras
Repetidas mas sinceras

E mesmo quando não dizem
Deste eu que agora escreve
Ainda assim explicitam
Minhas verdades secretas
Minhas mentiras sagradas
E desejos incontidos
Que se esparramam em versos
De indisfarçável tristeza
Perpassada de alegria

...Quase sempre euforizada

- mas contida -

E em minha dualidade
Danço o ballet dos humores
Hoje tão condicionados
Ao flutuar dos amores
Que sustento entre meus braços
E revolvem minhas entranhas
Como se nelas morasse
Um Deus velho e distraído

Que brinca com seus fantoches
No circo da eternidade
Em cantos tensos e sacros
Soprados em voz pequena
A revolver meus afetos
Remixados por medos
No purgatório das culpas
Sem deixar compadecer-se
Por recalques de outros tempos
E o que de mim saboto

E é então que desconfio
Que este deus em que não creio
Em mim crê e me protege
Evitando que eu me perca
Na babel dos sentimentos
E humores multipolares
De longas tardes glaciais
Em que enrijeço  a expressão
De meu rosto sempre tenso
Pra logo mais derramar-me
Em sorrisos espontâneos

Que nascem junto com a lua 

Cado Selbach





7 comentários:

Andre Gabriel disse...

lindo poema

CADO - MAPA DOS MEUS DIAS disse...

Obrigado, André... seja sempre bem vindo a este espaço. Obrigado por te ocupares em me ler. abraço.

beto effe. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
beto effe. disse...

muito bom Cado! ler seus poemas mais que um prazer , ja ta se tornando um vicio.... dos bons e do qual nao tenho a menor vontade , nem necessidade de me desfazer , claro !!! abraçao amigo !

Mara De Martine disse...

Deus crê em você, com certeza!!!!!Bjs

clairefelizregina disse...

Gostei muito do seu poema, Cado. Sempre gostei do que você escreve.
Claire

clairefelizregina disse...

Sempre gostei do que você escreve. Este poema está lindo. Claire