sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Diálogo do tempo - Cado Selbach

Diálogo do tempo

Amarro meus pés cansados
À bola de ferro do tempo
E o arrasto na alameda
Das dores agudizadas
E no beco sem saída
De minhas recorrentes perdas

Movimento-me autômato
Em círculos de desespero
E cavo o chão de meus mortos
Em ato descompensado
De vida sendo insuflada
Aquilo que já não era

Quando concluo que a ceifa
De Cronos enfurecido
Aborta as vãs existências
Qual adaga enferrujada
No peito hoje rasgado
De um eu quase inocente
Mas já um tanto cansado
De abruptas despedidas

E talvez já seja tempo
De colher delicadezas
No meu quarto de lembranças
Pra que me sirvam de antídoto
Pro que em mim sempre desiste
De filtrar a enxurrada
Dos suplícios de saudades
De onipresentes ausências
A preencherem espaços
De memórias que esvanecem
Mas redesenham os sentidos
Atribuidos a tudo
Que nos centra e nos reporta
Aquilo que abandonamos

Ou nos tenha abandonado...

Um comentário:

Betto Barquinn disse...

Muito bom!!! Adorei!!!

Um forte abraço!